Tempo de carregamento do e-commerce: os impactos da lentidão nos negócios digitais

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 LinkedIn 0 Email 0 0 Flares ×

tempo carregamento ecommerce

Deparar-se com uma fila enorme e desistir da compra é normal no comércio. Nós, clientes, desistimos de esperar quando a fila assusta, mas este problema não é exclusivo das lojas físicas, isso acontece com frequência no meio digital, inclusive em datas sazonais como a Black Friday pode deixar os sites instáveis, com carregamento do e-commerce lento.

Na maioria das vezes o motivo é o mesmo: quantidade elevada de usuários acessando uma plataforma que não possui estrutura adequada para lidar com a quantidade de acessos recebida. Essa situação é danosa aos negócios e traz prejuízos financeiros aos varejistas que precisam se preocupar com a velocidade do carregamento de seu e-commerce.

Em 2010, foi realizado uma pesquisa com empresas como Shopzilla, Firefox, Google e Microsoft para avaliar o impacto financeiro do carregamento de e-commerce. O resultado mostrou que a satisfação dos clientes dependia do tempo de carregamento das páginas, onde meio segundo de delay gerou queda de quase 1% na satisfação, enquanto dois segundos aumentou a taxa para 4%.

Para 42% dos brasileiros a praticidade é o principal fator que leva pessoas a comprar online. Assim, ao acessar um e-commerce, o consumidor espera por um processo rápido e facilitado. Um estudo realizado em 2016 comparou alguns e-commerces e notou que sites que receberam pedidos de clientes, são 26% mais rápidos que a média, já 28% dos consumidores não voltariam a acessar sites lentos.

Para resolver problemas relacionados ao tempo de carregamento do e-commerce é estimado que profissionais percam 12 horas por semana resolvendo problemas de lentidão, totalizando anualmente 652 horas, isso é muito desperdício de tempo.

Impacto da lentidão nas métricas do e-commerce

Além de prejuízo financeiro, o tempo de carregamento do e-commerce é um dos fatores levados em consideração para o rankeamento nos resultados de pesquisa do Google. Os e-commerces lentos causam péssimas experiências aos visitantes e o Google não gosta disso.

Taxa de conversão

A taxa de conversão mede a efetividade de vendas em comparação ao tráfego no e-commerce. Vários fatores influenciam essa métrica, inclusive a velocidade de carregamento.

O ideal, segundo o Google, é que uma página demore no máximo 3 segundos para carregar. No entanto, a média global é de 6 segundos para abertura de uma página. Dados dizem que quando o atraso é de 1 segundo, a conversão diminui em 21,8% em desktops. No mobile, um segundo de atraso reduz em 20,5%.

Bounce Rate

O perfil dos consumidores mudou nos últimos anos e eles deixaram de ter paciência com páginas lentas, preferem encontrar outra loja virtual invés de navegar em um e-commerce lento. Isso eleva a taxa de rejeição (ou bounce rate), ou seja, quando o usuário sai do site pela mesma página que entrou.

Essa taxa tende a crescer a cada segundo de carregamento do e-commerce. Em média, a taxa de rejeição em lojas virtuais é de 38% em desktops, enquanto nos dispositivos móveis pode chegar a 90% com dois segundos de atraso no carregamento.

Duração de sessão

Mesmo que consumidores persistentes decidam navegar em e-commerces lentos, eles geralmente não irão muito longe. A cada segundo de atraso no carregamento médio, a duração das sessões cai em 25%. O número sobe para 47% em desktops e 51% em mobile quando o atraso chega a 2 segundos.

Fique Atualizado

 

O que prejudica o tempo de carregamento do e-commerce?

  • Imagens pesadas: As imagens são ótimas, tanto para o conteúdo quanto para a venda de produtos online, porém podem prejudicar muito seu site se usadas de forma errada. Imagem com tamanho excessivo atrasa o carregamento da sua página.
  • Hospedagem: Os planos comuns de hospedagem não acompanham o crescimento exponencial de um site ou aplicação, por isso é necessário otimizar o servidor para usar os recursos do ambiente do seu e-commerce da melhor forma possível, caso contrário a página demorará para abrir.
  • Widgets: Os Widgets são aquelas “caixas” com previsão do tempo, redes sociais, rádio, notícias ou qualquer outra informação que não seja do próprio site e com certeza são os piores inimigos do desempenho.
  • Scripts: São linhas de código que fazem os elementos do site abrirem de forma correta. Assim que você acessa a página, esses Scripts são requisitados para colocar tudo em ordem. O problema é que muitas vezes cada função está em um arquivo separado, gerando muitas requisições. O recomendado é que todos esses comandos sejam concentrados em um único arquivo. Uma solução para isso é comprimir esses arquivos e juntá-los em apenas um arquivo.
  • Publicidade: Muitos sites de conteúdo e portais de notícias usam a publicidade nas suas páginas, porém é preciso cuidado para não colocar anúncios demais, pois aumentará o número de requisições no site e atrasará o carregamento de todos os elementos.

Velocidade em grandes e-commerces

A velocidade de carregamento do e-commerce é um diferencial alcançável para qualquer tipo de loja virtual, melhorando a experiência dos visitantes.

Vamos comparar a velocidade de abertura de 10 grandes empresas de e-Commerce no Brasil, segue os resultados:

Americanas

  • Mobile: 2,3 segundos.
  • Desktop: 1,1 segundos.

Privalia

  • Mobile: 1,8 segundos.
  • Desktop: 2,2 segundos.

Shoptime

  • Mobile: 1,7 segundos.
  • Desktop: 1,2 segundos.

Netshoes

  • Mobile: 1,2 segundos.
  • Desktop: 1,3 segundos.

Submarino

  • Mobile: 1,7 segundos.
  • Desktop: 1 segundo.

Extra

  • Mobile: 7,1 segundos.
  • Desktop: 1,8 segundos.

Casas Bahia

  • Mobile: 3,5 segundos.
  • Desktop: 1,8 segundos.

Pontofrio

  • Mobile: 3,4 segundos.
  • Desktop: 1,7 segundos.

Magazine Luiza

  • Mobile: 0,6 segundos.
  • Desktop: 1,9 segundos.

Como vimos, de nada adianta investir uma fortuna em marketing, comerciais e layout se o tempo de carregamento do e-commerce for demorado. Os clientes, quando passam menos tempo navegando no site por conta do mau desempenho, não são tão expostos à essas estratégias, que acabam não fazendo sentido. Por isso, não adianta apenas ter produtos de qualidade e investir muito dinheiro para atrair clientes se a loja virtual não estiver pronta para receber os clientes.

Então considere os dados dos insights e avalie sua realidade, buscar soluções para manter o e-commerce carregando tão ou mais rápido que os sites dos concorrentes pode mitigar o risco de perder negócios por conta da performance. Afinal, esse é o ponto crítico dos negócios digitais.

Gostou do artigo? Ficou com dúvidas? Tem outras sugestões?

Deixe seu comentário ou sua dúvida para podermos discutir sobre o assunto!

Forte Abraço e até a próxima!

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 LinkedIn 0 Email 0 0 Flares ×

Atua na área digital desde 2008, focado em empreendedorismo, projetos de Marketing Digital e Desenvolvimento de soluções web e mobile. Adora desafios e está sempre atento a novas tecnologias e possibilidades.