Quanto custa para abrir um e-commerce para supermercado?

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 LinkedIn 0 Email -- 0 Flares ×

A questão do custo global e também dos custos segmentados nos diferentes pontos críticos de avaliação na criação de um e-commerce para supermercado é, com certeza, uma das coisas mais importantes que devemos saber, certo?

Obviamente, como em qualquer nova StartUp ou empresa a ser criada, o valor que devemos separar (ou captar, hehe) para investir deve ser cuidadosamente detalhado para que as surpresas que virão, tenha certeza disso, possam ser mitigadas.

A seguir, eu vou detalhar 7 pontos que devemos prestar muita atenção e sem dúvidas farão parte do seu planejamento, mas, para te ajudar mais ainda, eu vou segmentá-los em 3 formatos: um modelo mais robusto, um organizado e um mais voltado para MVP (Minimun Viable Product), ou seja, para iniciar um projeto sem um grande investimento.

Este artigo será dividido em duas partes, a primeira (esta que você está lendo agora) abordará os temas mais voltados à operação física e funcional do seu projeto. A segunda parte visa mostrar os tópicos que detalham tecnologias, contexto virtual e operação online da sua empresa (ou futura empresa).

OK, vamos ao que nos interessa.

Estabelecimento físico

De fato, com um estabelecimento físico que atenda ao público in loco também, a visibilidade do seu negócio pode tomar proporções acima do esperado, mas aí já estaremos falando de abrir um supermercado, o que não é a finalidade do nosso artigo.

Quando eu falo de estabelecimento físico, quero dizer um depósito. Manter um depósito pode gerar custos fixos desnecessários em um primeiro momento no qual se projeta um MVP (pois muitos dos projetos de e-commerce para supermercado,  como são inovadores em suas regiões, não deixam de ser um MVP). Ainda não há uma amostragem de clientes e vendas para ter a noção exata de suporte para esse custo fixo.

Por outro lado, com certeza há um controle e gerenciamento muito mais eficiente dos seus produtos, tendo em vista que você armazena localmente grande parte (se não todo) do seu mix de produtos.

Quanto a valores, isso é peculiar à região onde você tem interesse em implementar seu plano de negócios, pois alugueis variam. Além disso, custos com a segurança do local, reforma, móveis e infraestrutura devem ser levados em consideração. Consulte estes valores com consultores locais e pesquise você mesmo inserindo em sua planilha de custos.

Alguns empreendedores, inicialmente utilizam os próprios locais de moradia ou conjugados já existentes para iniciar um novo projeto, esta opção pode ser muito bem explorada caso seu objetivo é reduzir ao máximo seus gastos inicias. Supondo que inicialmente seu mix de produtos em estoque seja pequeno ou nenhum, seria a melhor opção para um MVP.

Está gostando do artigo?

Fique Atualizado

Estoque de produtos

Este é, definitivamente, um dos tópicos mais importantes a se discutir. Primeiramente, pode ser considerado seu maior custo, caso tenha a intenção de abrir um e-commerce para supermercado e realmente trabalhar com um mix grande de produtos e mantê-los em estoque local.

Geralmente, projetos que visam iniciar vendas online de produtos de supermercado, mas que não são um supermercado já estabelecido, têm certa dificuldade de definir se a aquisição de produtos vale ou não a pena.

A primeiro momento, o recebimento de pedidos não tem uma previsão estável, ou seja, naturalmente o conhecimento da sua plataforma será conhecido pelos seus clientes à medida que seu trabalho é realizado. Esse tipo de incerteza inicial pode gerar um complexo gerenciamento de estoque, fazendo com que alguns itens não tenham tanta saída como planejado.

No nosso contexto das 3 hipóteses, o projeto mais robusto teria todos os produtos vendidos no site, em estoque, criando exceções para hortifruti, açougue e padaria, seções as quais são realmente perecíveis, e seus produtos devem ter uma circulação grande, caso contrário: prejuízo.

Em um ambiente organizado e que a intenção seja garantir uma certa segurança, não dependendo muito de fornecedores imediatos, a estocagem de produtos não perecíveis, bebidas e produtos de limpeza e higiene seriam o mix ideal para se iniciar, pois são de maior saída e não precisam de estrutura muito específica para sua armazenagem (como freezers, ventilação, etc).

Veja aqui A Revolução Digital do Varejo: E-commerce para Supermercado

Por fim, para um projeto de ambiente 100% virtual, seu estoque pode ser negociado com parceiros das mais diversas áreas. Nessa situação, o relacionamento entre o fornecedor e você deve ser muito bem organizado, pois qualquer falha no processo será remetido ao seu nome perante o cliente, ou seja, o fornecedor pode não ter o produto ou entregar um produto sem qualidade e quem pagará o “pato” será você.

Ainda faltam 5 tópicos, certo?!

Nos próximos artigos desta série eles serão abordados com muito detalhe. Acompanhe nosso blog para ficar por dentro de tudo que ocorre sobre e-commerce para supermercado.

FICOU COM MAIS ALGUMA DÚVIDA?

Deixe um comentário ou entre em contato comigo para conversarmos.

Até a próxima!

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 LinkedIn 0 Email -- 0 Flares ×

Formado em Sistemas de Informação e Pós-graduado em Engenharia da Produção. Analista de Sistemas há mais de 9 anos e também professor nas áreas de E-commerce, Marketing Digital e Eng. de Software. Soluções simples e inovadoras são seu combustível.