A nova onda de regionalização das compras online

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 LinkedIn 0 Email -- 0 Flares ×

Regionalização das Compras Online

A atuação em ramo digital das empresas brasileiras tem crescido a cada ano. De acordo com a ABComm, citada pela pesquisa da Dexi, especialista em Marketing de Varejo, as vendas nacionais realizadas por meio do ambiente online cresceram 22% em 2015, dando sequência a um crescimento de 24%, em 2014. Esse tipo de resultado praticamente decreta o sucesso atual das vendas digitais, mas é simplesmente isso? abrir um canal de vendas online e garantir o sucesso? o modelo atual de negócio é o mais rentável a longo prazo ou a regionalização das compras online vêm com mais força?

Mais Tributação

Logo no início deste ano de 2016, a decretação do convênio n. 93, do Confaz, teve impacto muito grande no ramo de vendas pela Internet (leia sobre o convênio e seu impacto aqui), porém uma liminar editada pelo Min. do STF, Dias Toffoli, suspende a eficácia da norma em alguns pontos, pois a declarou inconstitucional, definindo que os optantes pelo Simples Nacional apenas devam recolher ICMS no estado de origem.

Solução: Regionalização das compras online

Bom, em relação ao impacto nos canais de vendas online, vemos aí uma certa facilitação para as empresas pequenas e, além disso, para quem decide vender pela Internet, mas ter sua logística limitada a vendas locais ou no máximo regionais, como por exemplo, o supermercado Figura, o qual vende os mesmos produtos disponíveis no mercado físico, pela Internet, mas apenas para a sua cidade e região.

Ativando: C2C

Outro modelo de negociação online que acaba ganhando com isso é o C2C, Consumer-to-Consumer, ou melhor, venda entre clientes, o tradicional escambo. A necessidade de se desfazer de itens não mais utilizados normalmente se equipara à necessidade de pessoas têm em encontrar esses mesmos itens por valores mais acessíveis. Tudo isso gerado pelo constante encarecimento dos produtos, tanto dos vendidos pela Internet, quanto pelas lojas físicas.

Essa necessidade de venda de produtos usados, ou até novos, mas informalmente, cresce a cada dia. Tecnicamente, a evolução de interação virtual é o epicentro de todo esse envolvimento (a exemplo os grupos de troca-troca no facebook). Algumas empresas promovem esse modelo de negociação, tais como OLX, Bom Negócio, Mercado Livre, mas nenhum trabalha a regionalização das negociações e isso acaba muitas vezes barrando uma acerto de contas.

Essa regionalização das compras online e da interação entre os envolvidos no negócio ficará mais forte, dia após dia, propondo seu modelo de negócio próprio e fortificando a estrutura de negociação C2C.

Gostou do artigo? Ficou com dúvidas? Tem outras sugestões?

Deixe seu comentário ou sua dúvida para podermos discutir sobre o assunto!

Forte Abraço e até a próxima!

 

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 LinkedIn 0 Email -- 0 Flares ×

Formado em Sistemas de Informação e Pós-graduado em Engenharia da Produção. Cursa MBA em Marketing pela FGV e Pós-graduação em Engenharia e Qualidade de Software pela UNOESC. Trabalha como Analista de Sistemas e também Professor Universitário na área de E-commerce, Marketing Digital e Eng. de Software. Soluções inovadoras para desafios corriqueiros é o seu objetivo.